Como garotas de programa encontraram qualidade de vida no trabalho com a internet

 O uso da internet transformou a atividade de profissionais do sexo em todo o mundo. Ela se tornou uma importante ferramenta na prestação dos serviços e permitiu o desenvolvimento de um trabalho independente, além de dar maior controle sobre as circunstâncias desse trabalho. Acima de tudo, a internet ampliou e facilitou o uso de estratégias de segurança para esses profissionais, com redução nos registros de violência.
A avaliação é uma das principais conclusões do maior estudo sobre a atividade de prostitutas na Inglaterra, “Beyond the Gaze” (Além do Olhar), divulgado no começo deste ano.
“Os níveis mais baixos de violência são interessantes, pois sabemos que isso diminui a tendência de muitos anos de pesquisa sobre o trabalho sexual, particularmente o trabalho sexual de rua. Descobrimos que a internet oferece muitas outras oportunidades para as profissionais se manterem seguras, para verificar potenciais clientes e para se relacionar com outros profissionais do sexo e
agências que mantêm os profissionais do sexo seguros”, disse Teela Sanders, em entrevista ao UOL.
Sanders é diretora de pesquisas e professora do departamento de criminologia da Universidade de Leicester, no norte da Inglaterra. Ela coordenou o estudo “Beyond the Gaze”, que ouviu 641 trabalhadoras que usam a internet para encontrar clientes
ou para oferecer serviços. O estudo descobriu que mais de 80% deles estão satisfeitos ou muito satisfeitos com as condições de trabalho.Segundo o trabalho, a internet deu mais controle aos trabalhadores e reduziu o risco de ataques físicos. Assim, ajudou a tornar a prostituição uma atividade mais segura.
“Há muitas descobertas interessantes no estudo, como os altos níveis de independência e de autonomia dos profissionais do sexo que trabalham em ambientes on-line, os níveis mais baixos de agressões violentas e sexuais”, disse.

Informação é poder

Segundo Sanders, a conclusão mais importante do estudo é sobre a importância de se levar mais informação e facilitar a comunicação dessas profissionais.
“Conhecimento é poder e, se as profissionais do sexo têm espaços e ferramentas através de tecnologias digitais para terem conhecimento, então elas serão mais seguras, mais informadas e menos isoladas”, disse.
Segundo a prostituta e ativista de direitos dos trabalhadores sexuais ingleses Charlotte Rose, além da maior segurança oferecida pela internet, a independência das profissionais, revelada pela pesquisa, é um dos principais avanços que a
tecnologia levou à prostituição.
“Uma trabalhadora sexual que tem seu próprio negócio é uma trabalhadora independente, e a internet dá a ele a oportunidade de melhorar a divulgação da sua marca, conseguir novos clientes e ganhar a vida”, disse, em entrevista à BBC.
“Adoro o meu trabalho. Para mim, ele oferece flexibilidade e a oportunidade de cuidar dos meus dois filhos”, completou.
As entrevistadas para o estudo disseram que a internet permitiu que elas selecionassem os clientes, evitassem drogas e álcool, escolhessem onde elas trabalham e fornecessem apoio aos colegas. Quase 80% disseram que a internet melhorou a qualidade de sua vida profissional.
Embora certos crimes possam prevalecer no trabalho sexual on-line, o estudo também confirmou que níveis de crimes violentos contra profissionais do sexo que usam a internet são consideravelmente inferiores aos reportados em estudos de
trabalhadoras de rua. Apenas 5% das pessoas ouvidas tiveram alguma experiência com violência física ao longo de um ano.
Sanders alega ainda que o estudo indica que a internet também forneceu novos mercados para profissionais do sexo, como a webcam. “Certamente há uma maior oportunidade de fazer sexo sem sair de sua casa.”

Apesar de a pesquisa ter sido realizada no Reino Unido, a coordenadora do estudo acredita que os resultados valem para a experiência de trabalhadores do sexo de forma global. Ainda assim, diz, é necessário analisar os efeitos da internet em
outras partes do mundo.
“Precisamos pensar como a internet mudou o trabalho sexual nos países em desenvolvimento e como as ONGs podem utilizar mídias digitais para levar o conceito de rede a profissionais do sexo. Sabemos de uma organização com que
nos relacionamos em Nairóbi, no Quênia, através da qual milhares de profissionais do sexo estão em contato uns com os outros e com as ONGs por meio do Whatsapp”, disse.

 

Riscos digitais

 Apesar de a maioria dos resultados da pesquisa apontarem para um efeito positivo da internet na atuação de profissionais do sexo, a tecnologia também criou novos riscos, ligados a crimes digitais.
Segundo a coordenadora do estudo, as prostitutas ouvidas revelaram altos níveis de crimes digitalmente facilitados, como contato persistente indesejado por mensagens de texto e e-mail. O maior problema, entretanto, foi a ameaça a privacidade dos indivíduos.
Os resultados da pesquisa mostram que as pessoas que prestam serviços sexuais diretos e indiretos através da internet pode sofrer assédio e ameaças virtuais, ou uso não consensual dos seus dados. Nesse sentido, o estudo revelou que o
aumento do uso de instalações on-line também traz desvantagens potenciais para trabalhadores do sexo, particularmente em termos da possibilidade de sua identidade de trabalho sexual ser revelada. “O trabalho de sexo independente através da internet também pode levar ao isolamento para alguns, o que pode ser exacerbado pela necessidade de manter sua vida profissional em segredo”, diz o relatório.
“A exposição da identidade foi uma das principais preocupações das profissionais do sexo”, disse Sanders. Segundo ela, mesmo que haja uma capacidade maior de selecionar os clientes, foram comuns registros de casos de ataques virtuais.
“Ele publicou minhas fotos na internet, criou contas no Facebook com meu nome verdadeiro… para tentar me controlar”, disse uma acompanhante que deu depoimento à pesquisa (que pediu para não ter o nome revelado). Uma outra mulher que deu depoimento no estudo contou que um vizinho descobriu que ela fazia programas virtuais e a expôs a todo o prédio.

Opine

comentários

Leia também

Posted by Wladimir

Nerd desde sempre. Começou a programar em Basic, em um CP 400 Color II lá por 1985. Fã de Star Wars, Star Trek e outras séries espaciais. Pai de 4 filhos - um era pra se chamar Linus, mas o nome encontrou muita resistência :( Aliás, software livre é outra paixão. Usuário Linux desde 1999. Presidente da Associação Software Livre Santa Catarina. Defensor do livre compartilhamento. É o compartilhamento que tem feito a humanidade avançar. As ideias são uma construção coletiva da humanidade :) Foi fundador do Partido Pirata do Brasil e membro de sua 1ª Executiva Nacional (2012-2014). Foi também assessor do gabinete do Ministro da Ciência e Tecnologia durante 2016, até a efetivação do golpe que destituiu Dilma Rousseff. Ah, também é editor aqui dessa bagaça, onde, aliás, você também pode colaborar. Só entrar em contato (42@nerdices.com.br) e enviar suas dicas, artigos, notícias etc. Afinal, a Força somos nós!

Website: http://www.nerdices.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *