Patentes da Palm são compradas pela Apple por US$ 10 milhões


Os dinossauros do mundo da tecnologia conhecem e provavelmente já tiveram um palmtop – ou apenas palm.

Os palmtops foram, na minha opinião, o primeiro passo rumo ao mundo mobile. Há dez anos atrás tinham uma presença muito significativa no mundo corporativo, principalmente, com os usuários e as empresas optando entre produtos da Palm, da Sony, da HP e da Blackberry (embora a Blackberry não seja bem o mesmo conceito da Palm, mas cumpria muitas das tarefas feitas pelas outras marcas).

A Palm foi pioneira, muito antes da Apple, neste meio. Os palms eram, basicamente, pequenos computadores, onde o usuário escrevia direto na tela com uma “canetinha de plástico” (stylus), e podia usar programas como editores de textos, e-mails, navegadores, IRC, messengers, editores de imagens, jogos (muitos jogos) e também – acreditem – falar! Sim, os palmtops evoluíram até o ponto de se tornarem smartphones. Eu ainda tenho um Palm Centro, e uso todos os dias 🙂

 O que é o iPhone? É o Palm que deu ultra-mega-hiper certo. Aí que entra a diferença individual, o talento de cada um. Steve Jobs conseguiu vender o produto. Um produto que não era novo. O iPhone não fazia NADA que os palms já não fizessem. Mas soube vender e se tornar um gigante na área. E a Palm? Bem, a Palm, perdida, acabou sendo vendida para a HP e, pouco tempo depois, enterrada.

Agora, surge a notícia da aquisição, por parte da Apple, de patentes da Palm. Por US$ 10 milhões, repassados à empresa japonesa proprietária Access, a lista inclui tecnologias de rede e telecomunicações que chegaram a ser classificadas de “inúteis” por Steve Jobs.

Segundo conta o site 9to5Mac, o falecido presidente da Apple havia recusado a oferta de venda do antigo CEO da Palm, Ed Colligan. A ideia surgiu como uma medida de proteção para o iPhone, mas foi minimizada por Jobs. Isso apenas reforça o que escrevi aqui. A origem dos nossos modernos smartphones está lá na sempre querida Palm…

Opine

comentários

Leia também

Posted by Wladimir

Nerd desde sempre. Começou a programar em Basic, em um CP 400 Color II lá por 1985. Fã de Star Wars, Star Trek e outras séries espaciais. Pai de 4 filhos - um era pra se chamar Linus, mas o nome encontrou muita resistência :( Aliás, software livre é outra paixão. Usuário Linux desde 1999. Presidente da Associação Software Livre Santa Catarina. Defensor do livre compartilhamento. É o compartilhamento que tem feito a humanidade avançar. As ideias são uma construção coletiva da humanidade :) Foi fundador do Partido Pirata do Brasil e membro de sua 1ª Executiva Nacional (2012-2014). Foi também assessor do gabinete do Ministro da Ciência e Tecnologia durante 2016, até a efetivação do golpe que destituiu Dilma Rousseff. Ah, também é editor aqui dessa bagaça, onde, aliás, você também pode colaborar. Só entrar em contato (42@nerdices.com.br) e enviar suas dicas, artigos, notícias etc. Afinal, a Força somos nós!

Website: http://www.nerdices.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.