Como era a vida das escravas sexuais nos bordeis nazistas

A Alemanha nunca mais foi vista da mesma maneira após protagonizar um dos maiores marcos da história: A segunda guerra mundial.

Muitas foram as coisas absurdas e assustadoras que ocorreram dentro desse cenário naquela época, mas o que quase ninguém sabia, é que a crueldade do comandante Adof Hitler, ainda não havia sido completamente revelada.

Recentemente um estudioso alemão chamado Robert Sommer, lançou em seu livro um capítulo que trata de um assunto, que até então era pouquíssimo comentado, que é o fato, de ter existido uma série de mulheres que foram escravizadas sexualmente durante a grande guerra.

A obra que no total conta com 460 páginas, reúne depoimentos de sobreviventes e até mesmo imagens, que não haviam sido divulgadas.

Toda essa macabra história se iniciou em 1942, quando um dos chefes de segurando de Adof Hitler, chamado Heinrich Himmler, notou que muitas eram as queixas dos oficiais nazistas que eram obrigados a trabalhar nos campos de concentração.

Para barganhar e até mesmo contornar a situação, o general achou que seria uma boa ideia, oferecer sexo em troca de um melhor desempenho por parte dos oficiais.

O primeiro campo a possuir um bordel, foi o de Mauthausen, no mesmo ano, mas em um curto período de tempo, outros campos também receberam espaços reservados para essa finalidade, como em Buchenwald, Dachau, Ravensbrueck, Sachsenhausen e até mesmo no famoso Auschwitz.

Além dos oficiais do exército e supervisores do acampamento, os alemães que eram obrigados a trabalhar nos campos também podiam utilizar os bordeis, porém tudo era minuciosamente controlado.

As mulheres que ali viviam, a princípio eram prostitutas selecionadas. Essas mulheres em um primeiro momento, aceitavam se prostituir nos campos de concentração, em troca de comida e  uma fraudulenta proposta, de que após 1 ano e meio, seriam libertas e ficariam fora de qualquer envolvimento com a guerra.

Porém o prometido jamais se cumpriu, e mulheres que possuíam uma média de 20 anos, e eram consideradas comunistas, anti o sistema ou até mesmo “loucas” eram sequestradas e obrigadas a se prostituir.

Segundo os relatos de um senhor alemão que não preferiu se identificar, apenas uma média de 1% dos homens que trabalhavam no campo chegaram a se relacionar essas mulheres, mesmo assim, o sistema funcionava de maneira bruta e violenta.

Muitas mulheres eram espancadas, obrigadas a abortarem ou até mesmo morriam com os maus tratos dos homens que as violentavam. Segundo o auto do livro, elas literalmente foram usadas muitas vezes como válvula de escapa para muitos trabalhadores e oficiais dos campos de concentração.

O sistema funcionava da seguinte forma: Mulheres e homens judeus eram extremamente proibidos nesses locais, e homens alemães apenas podiam se relacionar com mulheres alemãs, o mesmo ocorria com pessoas de diversas outras nacionalidades, como poloneses e austríacos.

Além disso, para um alemão frequentar o bordel precisava de autorização, e também era examinado por um médico antes do ato sexual. Além disso eles tinham pomadas medicinais aplicadas em suas genitálias, e podiam manter as relações por apenas 15 minutos.

Outra curiosidade é que apenas a posição missionária era permitida na hora do ato, que era o tempo todo supervisionado por outros oficiais.

As mulheres eram obrigadas a atender de 8 a 10 horas por dia, e a grande maioria delas não sobreviveu aos maus tratos sofridos naquela época.

E então querido leitor, você podia imaginar que esse tipo de crueldade também era cometido dentro dos campos de concentração nazistas? Qual é a sua opinião sobre o assunto? Conta pra gente aqui em baixo pelos comentários!

Via   reuters
Imagens difundir.org

Opine

comentários

Leia também

Posted by Wladimir

Nerd desde sempre. Começou a programar em Basic, em um CP 400 Color II lá por 1985. Fã de Star Wars, Star Trek e outras séries espaciais. Pai de 4 filhos - um era pra se chamar Linus, mas o nome encontrou muita resistência :( Aliás, software livre é outra paixão. Usuário Linux desde 1999. Presidente da Associação Software Livre Santa Catarina. Defensor do livre compartilhamento. É o compartilhamento que tem feito a humanidade avançar. As ideias são uma construção coletiva da humanidade :) Foi fundador do Partido Pirata do Brasil e membro de sua 1ª Executiva Nacional (2012-2014). Foi também assessor do gabinete do Ministro da Ciência e Tecnologia durante 2016, até a efetivação do golpe que destituiu Dilma Rousseff. Ah, também é editor aqui dessa bagaça, onde, aliás, você também pode colaborar. Só entrar em contato (42@nerdices.com.br) e enviar suas dicas, artigos, notícias etc. Afinal, a Força somos nós!

Website: http://www.nerdices.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *